Tecnologias e Técnicas Endodônticas

Autor(es): Manoel Eduardo de Lima Machado - Danilo Duarte

R$180,00 E frete grátis para todo o Brasil!

  • Cap. 01 – Tecnologia e técnica: protocolo clínico de endodontia e blindagem coronorradicular dentro de perspectivas

    Cap. 02 – O Movimento reciprocante e o glide

    Cap. 03 – Desinfecção durante o retratamento endodôntico

    Cap. 04 – Tomografia computadorizada de feixe cônico no diagnóstico e planejamento em endodontia

    Cap. 05 – Tomografia por coerência óptica: uma nova ferramenta na endodontia

  • O contínuo desenvolvimento da ciência é fator diferencial para a efetiva melhoria da qualidade de vida. Desta forma, desenvolver protocolos de tratamento com respaldo científico gerando segurança, eficiência e qualidade, é fundamental para melhoria da Endodontia. O conceito baseado tanto na ciência quanto no desenvolvimento tecnológico sugere algumas ações interagindo de maneira ativa com a Endodontia propriamente dita, realças os princípios de diagnóstico, desinfecção e novos  conceitos de blindagem coronorradicular.

    Assim, Manoel Eduardo de Lima Machado,Soraya Beiruth de Lima Machado,Cleber Keiri Nabeshima,Hector Caballero-Flores e Rubens Affonso dos Santos com a proposta de reduzir o risco de contaminação intracanal entre sessões e após conclusão dos procedimentos endodônticos, inclui nos conceitos atuais, que a blindagem coronorradicular, quando possível, é indicada. Tal ação esta associada alta performance clínica destes procedimentos, constituindo passo de grande importância, a serem incorporados ao tratamento endodôntico.

    Dessa forma, a endodontia atual, inicia-se com a assepsia do canal radicular e termina com o selamento marginal e com a proteção da estrutura dentária, buscando evitar a fratura. Nisto, as técnicas de blindagem coronorradicular com pinos de fibra de vidro e resina composta tem demonstrado uma excelente opção em relação ao custo/benefício, potencializando fatores como: preservação e aumento de resistência da estrutura dentária e estética.

    Ademais,Gustavo De-Deus,Emmanuel Silva,Erick Souza ,Marco Versiani ,Daniele Cavalcante e Mario Luiz Zuolo, destacam que procedimentos relacionados ao preparo inicial do espaço radicular com limas manuais ou mecanicanicas , prévio ao uso de sistemas rotatórios, denominado “glide path”,que tem o objetivo de ampliar o espaço anatômico facilitando o avanço do instrumento rotatório no sentido apical e reduzindo a possibilidade de fratura por torção , além de controlar a possibilidade de um transporte exagerado do canal.

    Ja José F. Siqueira Jr,Isabela N. Rôças,Marília F. Marceliano-Alves,Adalberto R. Vieirae Flávio R. F. Alves, discutindo sobre desinfecção durante o tratamento endodôntico, destacam que: as condições clínicas que requerem intervenção endodôntica podem ser classificadas em três tipos:

    1 – dentes com pulpite irreversível,

    2 – dentes com polpa necrosada com ou sem lesão perirradicular primária,

    3 – dentes com necessidade de retratamento devido a uma lesão perirradicular pós-tratamento.

    Essas 3 situações apresentam diferentes aspectos no que tange às condições bacteriológicas do canal radicular. O entendimento dessas diferenças é crucial para o manejo bem-sucedido destas situações clínicas, relacionando assim:  os aspectos filosóficos e os protocolos clínicos indicados para o controle da infecção em casos de retratamento endodôntico, com o propósito de maximizar as chances de sucesso

    Enaltecendo a necessidade de um bom diagnóstico ,Luis Cardoso Rasquin, Leonardo Silva Rasquin e Fabiola Bastos de Carvalho, comentando sobre Tomografia computadorizado de feixe cônico  no diagnóstico e planejamento em endodontia, abordam esta temática destacando que :A análise do exame tomográfico permite desvendar as estruturas e anatomia dos dentes, necessário para o planejamento do tratamento endodôntico.Tais recursos complementares sequem sendo estudados e apresentados por :Carlos Menezes Aguiar e Andréa Cruz Câmara, que relatam que : e a Tomografia por Coerência Óptica produz imagens de alta precisão de estruturas vitais pelo princípio da combinação da inferometria de baixa coerência,com vantagem de não utilizar a radiação ionizante (4).,inclusive é denominada de biopsia em tempo real após  uma breve revisão da técnica de obtenção da imagem pela OCT pode se observar as perspectivas da sua utilização nas mais diversas situações da clínica endodôntica.

  • “Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro”, citando Machado de Assis ao arriscar uma descrição sobre como a natureza compôs as suas espécies! À semelhança dessa concepção a Comissão Científica do CIOSP/2019 idealizou o modelo de COLETÂNEAS como uma experiência, supondo receptividade e sucesso junto aos leitores e inovação na identidade editorial para os CIOSPs subsequentes.

    A ideia mostrou-se exitosa e acreditamos ter criado um ciclo virtuoso.  Repetimos, então, as Coletâneas do CIOSP/2020, caracterizadas pela contemporaneidade dos temas, a saber:

    • Harmonização Orofacial – A outra face da Odontologia – tomo 2.
    • Odontologia de Mínima Intervenção – Dentes funcionais por toda a vida!
    • Ortopedia Funcional dos Maxilares – Pesquisa e excelência clínica!
    • Terapêutica das Infecções Odontológicas – Farmacologia para a prática clínica.
    • Tecnologias e Técnicas Endodônticas – Em busca da desinfecção ideal Blindagem.
    • Expansão Rápida da Maxila – Uso clínico em adultos.

    Todos os capítulos contidos nas Coletâneas formulam a síntese de um processo de construção e socialização do conhecimento criativo e inovador da Odontologia brasileira. Para além disso, as Coletâneas repousam em um conceito de concisão, de tal modo que do primeiro ao último capítulo de cada uma delas existe um elo de coerência por onde perpassam valores éticos, científicos e clínicos.

    Relativo à equipe que compõe essas obras, destacam-se pesquisadores e formadores de opinião, docentes jovens e experientes, clínicos com vasta experiência profissional, estabelecendo uma intersecção que resulta em um diálogo entre evidências científicas e atividades clínicas. Nossos sinceros agradecimentos a todos os colaboradores.

    Sublinhamos, ainda, que a força maior das Coletâneas é revelada pelo modo em que os (as) autores (as)  traduzem visualmente os efeitos estéticos de suas imagens, tabelas, gráficos e quadros que,vinculados aos textos, criam um pacto entre evidências científicas, educação para a saúde e prática clínica. Didaticamente orienta como localizar, avaliar e interpretar conhecimentos e posteriormente incorporá-los, com segurança nas tomadas de decisões clínicas.

    Essas potencialidades, por si só, justificam uma leitura minuciosa dessas Coletâneas, que têm como propósito instigar novos olhares, ampliar horizontes de ação e atuação e provocar uma reflexão na produção e transmissão do conhecimento em prol de uma melhoria na qualidade de vida das pessoas.

    Encerramos a apresentação parafraseando o jornalista Guilherme Magalhães, que recorre a Jorge Luis Borges na definição de um livro clássico: “Clássico não é um livro que necessariamente possui estes ou aqueles méritos; é um livro que as gerações humanas premidas por razões diversas, leem com prévio fervor e misteriosa lealdade.” Respeitosa e humildemente é justamente isso que buscamos em nossas Coletâneas.

    Boa leitura!

    Os organizadores.

  • Autor(es)

    Danilo Duarte, Maniel Eduardo de Lima Machado

    Ano

    2020

    Edição

    1ª Edição

    Idioma

    Português

    Dimensões

    21 × 28 cm

    Nº de Páginas

    104

    Encadernação

    Brochura

    ISBN

    978-85- 480-0065-2